lai

Acesso Rápido

O que você precisa?

Telefones Úteis

Página Inicial Noticias Lista de notícias Jovem transplantada comemora conquista da qualidade de vida
voltar imprimir
Aumentar texto Diminuir texto
Jovem transplantada comemora conquista da qualidade de vida
Sex, 29 de Junho de 2018 11:05

alt

Após um acidente de moto que a deixou em coma por vários dias, a pernambucana Juliane de Matos, 22, foi diagnosticada com bronquiectasia, uma lesão irreversível dos brônquios causada por infecções. Em Garanhuns, Pernambuco, tentou vários tratamentos, mas não teve sucesso. Foi então orientada a procurar o Hospital de Messejana Dr. Carlos Alberto Studart Gomes (HM), do Governo do Ceará, referência Norte e Nordeste em transplante de pulmão. “Foi muito difícil receber a notícia de que a minha filha teria que morar em outra cidade e esperar a doação de um órgão para voltar a ter uma vida normal. Ficamos desesperados, nossa família não tinha condições, mas nunca perdemos a fé”, lembra a mãe dela, Maria Eunice.

A expectativa pela doação e a distância da família trouxeram inúmeras dúvidas que afligiram e deixaram mãe e filha inseguras, o que ocorre normalmente com pessoas à espera de um transplante e seus familiares. Estar na fila à espera de um transplante de órgãos é nada fácil. “Será que eu vou conseguir aguentar essa espera? Quando será que vai aparecer um órgão compatível? Será que vai dar certo o transplante? Será que vou voltar a ter uma vida normal?”, eram alguns dos questionamentos da jovem Juliane. Ela mudou-se com a mãe para Fortaleza e entrou na fila do transplante de pulmão, única e última alternativa para voltar a ter uma vida normal.

O pulmão é um dos órgãos mais delicados do corpo humano, só pode ser transplantado quando existe compatibilidade sanguínea e de tamanho da caixa torácica do doador e do receptor. Além disso, é alto o índice de complicações e mortalidade pós-transplante. Juliane aguardou dez meses na fila de espera. No dia 20 de dezembro de 2016, ela foi transplantada.

A recuperação correu bem e hoje, um ano e oito meses após a cirurgia, ela já desfruta de uma vida diferente. “Eu não conseguia andar, vivia cansada, dependia da minha mãe até para tirar a roupa. Depois do transplante é como se tivesse ganho uma nova vida. Hoje consigo ajudar nas tarefas de casa, tomo banho sozinha, voltei a ter uma vida normal, graças a Deus e à doação”, comemora.

Referência em transplantes

O primeiro transplante de pulmão das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste do país foi realizado pela equipe do Hospital de Messejana, em 2011, coordenada pelo cirurgião torácico Antero Gomes Neto. Ele lembra que a primeira cirurgia foi um grande marco para o atendimento aos pacientes com graves problemas respiratórios. “Antes, esses pacientes não tinham alternativa de tratamento, principalmente aqueles que não tinham condições financeiras de viajar para outro estado do país. E desde 2011, o HM dispõe este serviço de alta qualidade para tratar estes pacientes”, explica.

A equipe do Programa de Transplante de Pulmão do HM já soma várias vitórias. Nestes sete anos, foram realizados 42 transplantes pulmonares. Atualmente, quatro pessoas estão na fila, aguardando a doação do órgão. “Temos muito o que comemorar, já que esse tipo de transplante é um dos mais delicados por conta do alto índice de complicações e mortalidade”, diz Antero Neto.

Segundo o coordenador do serviço, além do Ceará, apenas os estados de São Paulo e Rio Grande do Sul são referências em transplantes de pulmão no Brasil. Os bons resultados conquistados pela equipe do Hospital de Messejana devem-se a alguns fatores, dentre eles, a qualidade, competência e dedicação da equipe médica e multidisciplinar do Hospital.

Além de comemorar os resultados positivos, Antero também destaca o ato de doar. “O transplante de pulmão é algo desafiador, dado a complexidade do procedimento. Então, comemoramos cada resultado de sucesso. As pessoas que entram em uma lista de espera por um órgão já esgotaram todas as outras modalidades de tratamento e lhes resta como última e única chance de resgatar a saúde e ter nova vida, o transplante. Na hora da doação, é importante que as pessoas reflitam e compreendam que embora estejam perdendo um ente querido, estão tendo uma oportunidade de dar a vida ao próximo, ao doar os órgãos de um familiar”, fala Antero.

Hospital de Messejana

O Hospital de Messejana Dr. Carlos Alberto Studart Gomes é uma unidade terciária, especializada no diagnóstico e tratamento de doenças cardíacas e pulmonares, dispondo de procedimentos de alta complexidade nestas áreas e destacando-se no transplante cardíaco e pulmonar. A instituição é gerenciada pela Secretaria da Saúde do Estado e atende pacientes dos 184 municípios do Ceará e das regiões Norte e Nordeste do país.



Foto: Ascom/HM



Assessoria de Comunicação do Hospital de Messejana
Jessica Fortes
3101.4092

 

Serviços

Agenda - Janeiro 2022

Do Se Te Qu Qu Se Sa
26 27 28 29 30 31 1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 31 1 2 3 4 5

Hospital de Messejana - Dr. Carlos Alberto Studart - Avenida Frei Cirilo, 3480 - Messejana - CEP - 60.846-190 Fortaleza/Ce

Fone: (85) 3101-4075 Fax: (85) 3101-4078

© 2009 - Governo do Estado do Ceará. Todos os Direitos Reservados